Eduardo Bolsonaro dá vexame na Câmara e é desmoralizado pelo próprio ídolo, Olavo de Carvalho

Nesta quarta-feira (6), a Câmara dos Deputados promoveu uma sessão solene em homenagem ao bicentenário de Karl Marx, nascido no dia 05 de maio de 1818.


Em discurso lido no Plenário, o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), destacou a influência de Marx e disse que suas obras trouxeram contribuições nos campos da filosofia, história, política, economia e sociologia até hoje objeto de estudo e debate.

“É fato inegável que seu pensamento continua a inspirar literatos e movimentos políticos e sociais em nossos dias” destacou.

Leia também: Bolsonaro foge e não vai a sabatina do Uol, Folha e SBT e vira chacota nas redes sociais;

O deputado Orlando Silva (PCdoB-SP), que solicitou a sessão solene, afirmou que Karl Marx foi um dos principais pensadores de todos os tempos. Através de sua contribuição teórica e prática, Marx ajudou a desvendar a sociedade capitalista e forneceu incentivos para encontrar caminhos para a organização da classe trabalhadora.

“Enquanto houver um grau de desigualdade de concentração brutal, o pensamento de Marx estará vivo, apontando caminhos e iluminando reflexões”, disse.


Eduardo Bolsonaro

Com um livro de Olavo de Carvalho nas mãos, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL) foi ao plenário para se dizer contrário à realização da sessão solene e manifestou total repúdio à pessoa de Karl Marx.

“Começo citando Olavo de Carvalho: ‘O socialismo matou mais de 100 milhões de dissidentes’. Estamos em uma sessão que homenageia o maior genocida do planeta Terra”, bradou.

“Os comunistas sabem trabalhar para dividir a riqueza dos outros, aquilo que colaboraram para que fosse construído. Então eu faço um apelo: não deixe o Marxismo crescer”, continuou o deputado.

Em seguida, Ivan Valente (PSOL) usou o próprio Olavo para desconstruir a fala de Eduardo:

— Quero citar duas frases de Olavo: “Quando você ouve algum direitista falando do marxismo como se fosse apenas um sistema de idiotices, não tenha dúvidas: O idiota é você”


— Tem uma segunda também: “Se há uma coisa que não tolero é o desprezo afetado e triunfalista que qualquer liberalzinho de merda sente pelo marxismo. Uma tradição intelectual de quase dois séculos e infinitamente acima de sua capacidade de compreensão”.

Com informações de Pragmatismo Político